No ano passado, Orelsan e o seu irmão Clément surpreenderam toda a gente quando lançaram uma série documental no Amazon Prime, "Montre Jamais ça à personne". O tema? A ascensão musical de Orelsan, filmada a partir do interior pelo seu irmão mais novo. É um trabalho inesperado, autêntico e impressionante, que tem sido um grande sucesso e ajudou a aumentar a popularidade de Orelsan em toda a França. Também nos ensina muito sobre a carreira de um rapper e sobre a vida em geral.

Autenticidade, determinação e partilha

Aqueles que conheceram Orelsan no início da sua explosão, pouco antes do lançamento do seu álbum "Perdu d'avance", já o conheciam bastante bem, e como o rapper é extremamente sincero e autêntico na sua música, já tínhamos um vislumbre da sua vida e carreira. Mas a série documental "Montre jamais ça à personne", lançada no Prime Video pouco antes do lançamento do seu álbum "Civilisation", contribuiu para divulgar em França esta história de sucesso ao estilo da Normandia. Acima de tudo, tornou Orelsan ainda mais cativante para o público, deixando para trás as polémicas do passado. A série é filmada por Clément Cotentin, que é o irmão mais novo de Orel, o que garante uma certa autenticidade, uma vez que as pessoas se comportam mais naturalmente em frente a uma câmara quando esta é segurada pelo seu irmão mais novo durante todo o dia. Não é por acaso que esta autenticidade se encontra na série, porque a autenticidade é talvez o aspeto mais importante da música de Orelsan. O rapper nunca o escondeu, quer nas letras, quer em entrevistas, e sempre assumiu esse lado simples, "mediano", sem nada de verdadeiramente excecional. No seu álbum de estreia, Perdu d'avance, disse: "Sou uma mistura entre o hardcore e o maluco, Orelsan, porque não se pode mudar uma equipa que empatou um jogo". É esta simplicidade que fez com que muitos jovens se identificassem com ele: o Gênero normal, não muito popular, não muito à vontade com as raparigas, um pouco "punheteiro" na escola ou no trabalho, muitas vezes atormentado por dúvidas devido à falta de auto-confiança.

Le rappeur a très tôt dévoilé cet aspect de sa personnalité et ça a permis de faire de lui une sorte d'icône des jeunes de cette génération. Mais attention, le propos n'est pas de dire qu'Orel est simplement un gars sympathique. C'est un excellent rappeur qui a travaillé de manière très sérieuse pour peaufiner son art, et s'il se qualifiait de « branleur », c'était surtout à l'époque des études et de son travail dans l’hôtellerie, deux domaines qui ne le passionnaient pas. Une fois qu'il s'est mis au rap pour de bon, il a énormément bossé, s'est creusé la tête pour construire ses albums, ses concepts. On le voit d'ailleurs dans la série : Gringe a probablement un talent plus naturel pour le rap, en particulier sur les placements, le flow, les intonations, on le voit vraiment très à l'aise. Pourtant, des deux amis d'enfance qui se sont lancés dans l'aventure presque en même temps, c'est Orelsan qui est allé le plus haut et le plus loin dans ce qu'il pouvait proposer. Parce que c'est un bosseur acharné, en particulier quand il s'agit de sa passion, la musique. Derrière ce côté un peu blasé de tout, bien amplifié par son rôle dans la série « Bloqués », se cache un véritable bourreau de travail qui a su saisir les opportunités s'offrant à lui, même quand elles se soldent par des échecs, comme lors du concours de rap avec La Fouine et Booba en jury. 

Mas acima de tudo, esta série é uma fabulosa história de amizade e partilha. Orelsan sempre trabalhou em equipa, como a maioria dos artistas de hoje. Se alguns rappers disserem "eu fiz isto sozinho", nunca acredite nisso, pois não é verdade e o papel das pessoas à sua volta é crucial para um artista. Especialmente porque, no caso de Orel, as pessoas que o rodeiam não são apenas um pano de fundo. Os seus amigos formam um verdadeiro grupo muito unido, que se mantém praticamente inalterado desde o início da aventura, com Gringe, claro, o seu parceiro em Les Casseurs Flowters, mas também Ablaye, uma espécie de empresário-produtor-livreiro polivalente que está presente em todos os seus palcos desde as suas primeiras digressões. E, claro, Skread, o maestro da orquestra, que o rapper apelidou de "Mozart" na canção "Jimmy Punchline". Um grupo ao qual podemos obviamente acrescentar Clément, o irmão mais novo, que parecia estar presente com muita, muita frequência. A série conta a história desta banda fabulosa e unida e a forma como todos se apoiaram mutuamente (por vezes, ainda bem que Skread e Ablaye estavam lá para fazer com que todos voltassem ao trabalho depois de um ataque de blues) para chegar ao topo. Vemos também Orel a ser muito generoso com os que lhe são próximos e absolutamente determinado a partilhar a ribalta tanto quanto possível, mesmo que não se sinta particularmente confortável nela. Como com o seu amigo Gringe, ou com a sua avó Janine, que sempre sonhou em cantar. Ou com a nossa marcaProject X Paris durante uma sessão fotográfica em 2019, quando já tinha lançado a sua própria marca Avnier.

Assunção de riscos e resiliência

Le rappeur a également su comment retravailler son image, après des débuts un peu mouvementés via ses albums, sa série, son film ... Le rappeur a su inverser la tendance et transformer ces débats en popularité. S'il a toujours eu un côté un peu insolent et provocateur, sa personnalité est beaucoup moins conflictuelle que ce qu'on a pu entendre à certains moments dans certains médias. Lui-même n'a pas mis trop d'égo dans cette affaire, affirmant que la chanson qui faisait polémique datait déjà de plusieurs années et qu'il ne la jouait pas sur scène. On voit pourtant dans la série qu'Orelsan est sévèrement touché par ces événements, au point de faire une petite dépression, mais une fois remis il est revenu encore plus fort avec « Le Chant des Sirènes », l'album qui l'a fait connaître du très grand public. 

É um álbum de risco, como se pode ver durante a sua realização, através da câmara de Clément, que se torna cada vez melhor à medida que a série avança. Musicalmente, o álbum não se assemelha a nenhum dos anteriores projectos de rap francês lançados, ao contrário de "perdu d'avance", onde as influências são claramente identificáveis. Com Skread, levaram a sua arte a um novo nível contra o conselho de muitos dos seus conhecidos na indústria musical. Estas decisões "arriscadas", sejam elas artísticas ou profissionais, podem parecer anedóticas, mas no seu conjunto tiveram um enorme impacto na sua evolução. Como quando Orelsan decidiu assinar com a Wagram em vez da Universal. Isto permitiu-lhe manter o controlo da sua arte e do seu processo criativo, em vez de se esconder atrás de directores artísticos, o que resultou num sucesso ainda maior com os seus dois álbuns seguintes. Não há verdadeira arte sem correr riscos, e muito menos sucesso sem correr riscos, uma lição que aprendemos na série com o rapper, particularmente durante a criação do single de sucesso "La Terre est ronde", produzido praticamente a solo por Orelsan.

Por fim, o último aspeto importante da série é a resiliência e o facto de não se orgulhar demasiado das coisas, quer estas resultem ou não. Saber lidar com os golpes e levantar-se, como o rapper faz em várias ocasiões na série. Houve momentos baixos e duros, mas a equipa recuperou sempre: após cancelamentos e controvérsias, surgiu "Le Chant des Sirènes"; alguns anos após o seu fracasso no concurso de rap, acabou por ganhar um prémio Victoire de la Musique à frente dos rappers que o tinham eliminado na altura. Prova de que o trabalho árduo compensa e, acima de tudo, que saber recuperar é parte integrante da vida de um artista e não apenas uma fórmula. Quando se explode jovem e se tem um sucesso atrás do outro, a primeira parede que se come pode muito bem pôr fim aos sonhos. Mas quando se tem uma série de fracassos, pequenas vitórias ou empates, sabe-se que a roda vai girar, que só é preciso esperar e voltar ao trabalho. É um aspeto muito presente em todo o grupo, e estamos muito contentes por termos podido acompanhar a sua fabulosa aventura, e aconselhamo-lo a fazê-lo também!